Este é o mais novo espaço de nosso Arraial, buscando sempre semear novos conhecimento e esclarecimentos na divulgação da Doutrina dos Espíritos...

16 de jul de 2012

QUE TIPO DE ESPÍRITA VOCÊ DESEJA SER ???

E a humildade? A caridade? O amor?
Eliminamos o preconceito?
Respeitamos as outras religiões?


Vamos usar como base para reflexão este texto do livro:

SEARA DOS MÉDIUNS
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

Lição 7
Companheiros
Reunião pública de 25/1/60
Questão nº 28 - Parágrafos 1º, 2º e 3º

Há muitos companheiros realmente assim...
Declaram-se espíritas.
Proclamam-se convencidos, quanto à sobrevivência.
Relacionam casos maravilhosos.
Exibem apontamentos inatacáveis.
Referem-se, freqüentemente, aos sábios que pesquisaram as forças psíquicas.
Andam de experiência em experiência.
Fitam médiuns como se vissem animais raros.
Não alimentam dúvidas quanto aos fatos inabituais no seio da própria família, mas desconfiam das observações nascidas no lar de outrem.
Conversadores primorosos.
Anedotistas notáveis.
Mas não mostram mudança alguma.
São na convicção o que eram na negação.
Nobres expoentes de cultura intelectual, não estendem migalha de conhecimento superior a quem quer que seja.
Detentores de vantagens humanas, não se dignam ajudar a ninguém.

Felizmente, contudo, temos os companheiros da luta incessante.
Afirmam-se também espíritas.
Mas compreendem que o fenômeno, diante da verdade, pode ser considerado à feição de casca no fruto.
Têm os médiuns como pessoas comuns, necessitadas de entendimento e de auxílio.
Sabem que a existência na Terra é como estágio na escola.
E, por isso, não perdem tempo.
Moram no trabalho constante.
Indulgentes para com todos e severos para consigo mesmos.
Aceitam a justiça perfeita, através da reencarnação, e acolhem no sofrimento o curso preciso ao burilamento da própria alma.
Verificam que o erro dos outros podia ser deles próprios e, em razão disso, não perdem a paciência.
Reconhecendo-se imperfeitos, perdoam, sem vacilar, as imperfeições alheias.
E vivem a caridade como simples dever, aprendendo e servindo sempre.
São esses que Allan Kardec, em sua palavra esclarecida, define como sendo “os espíritas verdadeiros ou, melhor, os espíritas- cristãos”.


A Doutrina Espírita é perfeita, o mesmo não podemos dizer de seus adeptos. 
Os espíritas se encontram em diversos graus de evolução e é preciso que seu despertar aconteça o mais breve possível...
O conhecimento doutrinário esclarece sobre  a vida, é uma riqueza indescritível...entender a vida elimina a revolta e fortalece a fé!
A Doutrina nos convida constantemente à mudança, revisão de valores, evolução, o que nos habituamos a chamar de reforma íntima, além do estudo e  compreensão da mediunidade, para utilizarmos a serviço de Jesus.
De que adianta tudo isso se não nos tornamos melhores? Se nada muda?
E a humildade? A caridade? O amor?
Eliminamos o preconceito?
Respeitamos as outras religiões?
Vamos refletir sobre nossa conduta e sobre o tipo de espírita que estamos sendo e o que desejamos ser...
Acima de tudo, vamos refletir sobre como alcançar a transformação moral para sermos “os espíritas verdadeiros ou, melhor, os espíritas- cristãos”.

Só depende de nós!

Muita luzzzzzzzz

Luciane Ruis

2 comentários:

  1. Anônimo21:01

    O texto traz palavras-chaves para a nossa compreensão e construção do ser-espírita em nós, que abraçamos a Doutrina, principalmente, pelo conhecimento que vamos adquirindo. Palavras como: mudança - trabalho constante, aprendendo e servindo - caridade, ajuda ao próximo; estudo, conhecimento e prática do bem; reencarnação - justiça do Pai-, sofrimento, lição, burilamento das nossas imperfeições; fenômeno mediúnico como a casca no fruto - conteúdo-transformação interior; Terra - escola, estágio. Concluindo:Jesus, como Mestre, Modelo e Guia. Benevolência. Indulgência. Perdão. Regina Corrêa de Sá

    ResponderExcluir
  2. Que não fique apenas em palavras,mas que se transformem em atitudes diárias!
    Agradecemos muito a bela participação!

    ResponderExcluir

O objetivo do blog é apresentar a mediunidade à luz da Doutrina Espírita.
Estabelecemos a gentileza e a cortesia como norma de tratamento entre todos, sempre respeitando a opinião do próximo, para que estejamos sempre em um padrão vibratório positivo, que atrairá a proteção dos Benfeitores Espirituais para nosso trabalho.